02 dezembro 2013

A Menina Que Semeava - Lou Aronica



Livro: A Menina Que Semeava 
Autor: Lou Aronica  
Editora: Novo Conceito
Páginas: 416  
Preço médio: R$29,90 
Chris Astor é um homem de seus quarenta e poucos anos que está passando pelo mais difícil trecho de sua vida. Ele tem uma filha, Becky, de 14 anos, que já passou imensas dificuldades até chegar a se tornar uma moça vibrante e alegre, mas que parece que terá que enfrentar mais um grande problema em sua vida. Quando Becky era pequena e teve câncer, Chris e ela inventaram um conto de fadas, uma fantasia infantil que adquiriu vida e tornou-se um terrível, provavelmente fatal, problema. Agora, Chris, Becky e Miea (a jovem rainha da fantasia criada por pai e filha) terão que desvendar um segredo: o segredo de por que seus mundos de fantasia e realidade se juntaram neste momento. O segredo para o propósito disso tudo. O segredo para o futuro. É um segredo que, se descoberto, irá redefinir a mente de todos eles.A menina que semeava é um romance de esforço e esperança, invenção e redescoberta. Ele pode muito bem levá-lo a algum lugar que você nunca imaginou que existisse. Uma fantasia que trabalha assuntos densos como a separação dos pais, oncologia infantil, separação de filha e pai, adolescência. A menina que semeava não é um livro sobre adolescentes comuns. É sobre uma que se deparou prematuramente com a ameaça do fim e teve de tentar aprender a lidar com ele.


Vamos à história...

Rebecca Astor – Becky teve câncer com apenas 5 anos de idade. Para tentar ajudar a filha a passar por esse período difícil e confuso, seu pai, Christopher Astor – Chris teve a ideia de criar um mundo de fantasia com ela, e Tamarisk tornou-se realidade em sua mente, e assim, Becky de repente começou a se sentir melhor.
Agora com 14 anos e depois da remissão do câncer, Becky se encontra distante de seu pai, que está separado de sua mãe a algum tempo.
O tempo que passam junto já não é mais cheio de intimidade e cumplicidade como antigamente, e por isso Chris sente profundamente a falta desses momentos em que passava com a filha. Mas esse distanciamento entre pai e filha está prestes a mudar...
No mesmo período em que Becky enfrenta o medo de que sua doença tenha voltado, e Tamarisk também enfrenta sérios problemas, esses dois mundos, essas duas realidades estão para se encontrar...De uma forma inexplicável Becky consegue viajar para Tamarisk e se encontra com Miea, rainha do reino que a própria Becky ajudou a criar. E a partir desse encontro uma passará a contar com a ajuda da outra para lidarem com os problemas que estão enfrentando.

Minhas considerações...

 O livro entra na lista dos livros de gênero sick-lit, que são aqueles livros em que na sua história algum personagem (geralmente jovem) tem uma doença grave (geralmente câncer). Eu ia dizer que o primeiro livro que eu li desse gênero foi “A Culpa é das Estrelas”...mas...eu lembrei que quando eu tinha uns 13 ou 14 anos li um livro chamado “Fase Terminal”, e um dos personagens tinha AIDS. Eu li esse livro quando nem se pensava que um dia surgiria um “gênero literário” chamado sick-lit
 O que faltou em A Culpa é das Estrelas para que ele me tocasse sentimentalmente, eu pude encontrar em A Menina que Semeava.
 O autor intercala a história entre o que está se passando no mundo de Becky e o que está acontecendo com Miea no reino de Tamarisk. Confesso que nas partes em o autor descrevia o mundo de fantasia, e os seres que o habitavam, a história ficava um pouco monótona e eu dava uma emperrada na leitura. rs

 Mas aí...eu tive uma folguinha no serviço e comecei a ler o livro com mais entusiasmo, e fui devorando cada página com os olhos cheios de lágrimas.
 Tanto que quando tive que voltar para os meus afazeres, e deixar a leitura de lado, eu não queria parar. E então, olhava para o Boo( minha proteção de tela) e pensava: “Boo, por favor, me tira daqui. Eu quero ir para Tamarisk!”. E o Boo só ficava me olhando daquele jeito sexy.

  
Na minha opinião o Lou Aronica conseguiu tocar em vários pontos delicados em AMQS, entre eles:
 - as dificuldades que os pais ( ou familiares) enfrentam quando existe alguém doente na família. E como tudo isso se complica ainda mais quando além de tudo é necessário lidar-se com as cicatrizes deixadas por um divórcio;
 - como os filhos de pais divorciados sofrem por muitas vezes se sentirem em um um cabo de guerra entre os pais;
 - como, de alguma forma, os filhos acabam ficando mais distante de um dos pais depois da separação;
 - como é complicada a realidade de quem vive com medo do fantasma de uma doença que pode voltar a qualquer momento.
 - e por fim, que nos precisamos aprender a dizer adeus, seja para as pessoas que amamos como para os acontecimentos do nosso passado.
 Eu recomendo muito o livro...mas só para quem tiver sensibilidade e paciência para ir descobrindo Tamarisk aos poucos.

     
Minha parte favorita...


Quando Chris vai para Tamarisk pela primeira vez

Citações favoritas...
— A saudade enobrece.
— Também machuca. Eu prontamente trocaria esse enobrecimento por mais dias com você.
Foi a vez de Becky não dizer nada por um instante. Teria ela realmente criado Tamarisk? Teria ela realmente criado Tamarisk?
Todos os outros simplesmente aceitavam que tinham um lugar no mundo e deixavam as perguntas mais misteriosas permanecerem um mistério.


Book Trailer



Avaliação

4 comentários:

Clóvis Marcelo disse...

Estou com muita vontade de conhecer essa história. Até agora só li coisas boas. Sick-Lit, um dos meus gêneros preferidos ^^

Cíntia Arruda disse...

Eu nem sabia que existia esse gênero Sick-Lit!

EvyBL disse...

Não posso dizer que ele entre na lista dos meus gêneros literários favoritos, mas é como disse a Veja, é um tipo de literatura que não subestima o jovem, e eu gosto disso.
A Menina Que Semeava ganou um lugar especial no meu coração ♥

EvyBL disse...

Pois é, ele existe rsrsrs...http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/%E2%80%98sick-lit%E2%80%99-a-literatura-que-nao-subestima-o-adolescente

Postar um comentário