26 dezembro 2014

O capote e outras histórias - Nikolai Gógol



Livro: O capote e outras histórias  
Autor: Nikolai Gógol
Editora: Editora 34
Páginas: 224  
"Todos nós saímos do Capote de Gógol" - a famosa frase de Dostoiévski alude ao papel fundamental desempenhado pela obra de Nikolai Vassílievitch Gógol (1809-1852) no desenvolvimento da literatura russa a partir do século XIX.
Organizado e traduzido diretamente do russo por Paulo Bezerra, que também assina o posfácio, este volume apresenta ao leitor um panorama geral da obra gogoliana, ao trazer, ao lado de algumas de suas histórias mais conhecidas ("O capote", "O nariz" e "Diário de um louco"), duas narrativas "folclóricas", do ciclo ucraniano ("Viy" e "Noite de Natal"). Se nas primeiras o cenário é São Petersburgo e os pequenos funcionários da burocracia czarista e, nas segundas, o universo rural com suas lendas e personagens míticos, em todas prevalece o humor, o tom fantástico e a genialidade narrativa de Gógol, nesta sequência de verdadeiras obras-primas.


Vamos à história...
O capote
Akáki Akákievitch ( praticamente um trava língua o nome dele) era um funcionário de uma repartição pública, e era motivo de chacota entre seus colegas e ignorado pelas pessoas e pela sociedade.
 Durante o rígido inverno de São Petersburgo, Akáki percebendo que o seu capote já estava bem gasto é orientado por seu alfaiate à encomendar um novo.
Enquanto espera que o novo capote fique pronto Akaki passa a ter um novo sentido em sua vida.
E sua vida realmente muda depois dele receber seu novo capote. Todos na sua repartição começam a tratá-lo melhor. O próprio Akáki se sente melhor com seu novo capote.
Mas algo inesperado acontece com seu capote e Akáki é posto cara a cara com a burocracia e insensibilidade a cerca dos problemas alheio.
Diário de um louco
Essa foi uma das historias que eu mais ri ...LOL
Nela temos uma sucessão de pensamentos do louco Poprischin.
O nariz
O nariz nos conta a história do major Kovaliov que ao acordar de manhã percebe que está sem o nariz. E a situação piora quando encontra com seu próprio nariz no meio da rua e o mesmo o ignora totalmente.
Noite de natal
Em noite de natal temos o diabo tentando pregar uma peça no ferreiro Vakula que é apaixonado pela belíssima Osana, esta que lhe impõe um desafio que se realizado ela se casará com o ferreiro.
Viy
Em Viy temos uma lenda popular que conta a historia do filósofo Khomá Brunt que se vê atormentado por uma bruxa.
Minhas considerações...

As explicações que o tradutor Paulo Bezerra nos dá sobre essa obra de Gógol nos faz entender melhor o sentido por trás de cada história e a importância que o autor teve para a literatura russa.
O capote, diário de um louco e o nariz, tem temas específicos da cidade de Petersburgo; a vida dos pequenos funcionários do sistema czar. Vale lembrar que essas histórias foram escritas em 1819 e 1835, mas se é possível perceber que a burocracia não modificou com o tempo.
Enquanto noite de natal e Viy percebemos mais como historias parecidas com "causos" contados a beira de uma fogueira.
O autor se mostra como um romântico nostálgico do passado por não conseguir familiarizar-se com o presente, e por isso, suas histórias possuem temas como a morte, o sobrenatural, elementos fundamentais no Romantismo, mas com o diferencial cômico.
O autor: Nikolai Vassílievitch Gógol nasce em 1809, na província de Poltava, atual Ucrânia. Em 1829 muda-se para São Petersburgo e logo publica Serões numa granja perto de Dikanka, reunião de contos inspirados no folclore de sua terra natal. Em 1835 publica mais duas coletâneas: Arabescos e Mírgorod, nesta última incluída a novela Tarás Bulba. No ano seguinte estreia O inspetor geral, sua peça teatral de maior sucesso. Em 1842, após viajar pela Europa, publica a primeira parte do romanceAlmas mortas. Nesse mesmo ano publica a novela O capote, que exerceria enorme influência sobre diversos escritores russos. Após um período de graves crises existenciais, destrói o manuscrito da segunda parte de Almas mortas, adoece gravemente e, sofrendo constantes delírios, falece em março de 1852.

Citações favoritas...
Tudo aquilo - ruído, conversação, grande número de convivas - era para Akáki Akákievitch&nbspcomo que um sonho. Não sabia verdadeiramente o que experimentava, nem onde havia de colocar as mãos, os pés, o seu próprio ser.
O nosso mundo é realmente esquisito! Todos os seus viventes estão sempre tentando macaquear e arremedar uns aos outros.
Avaliação



Nenhum comentário:

Postar um comentário